Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

acimadetudoviver

acimadetudoviver

Dia 365

31.12.15, acimadetudoviver

Chegámos ao último dia do ano estamos a poucas horas de do fim de mais um capítulo e prestes a iniciar outro, que se quer sempre tudo em bom.

Da parte que me toca foi correndo tudo dentro da normalidade: tive trabalho, alturas houve em que tive mais do que outras, mas é assim mesmo a vida de quem trabalha por conta própria, todos os dias são uma luta constante, tive saúde, assim como aqueles que me rodeiam, tive oportunidade de tirar uns dias só para mim, às vezes só umas horas mas que me souberam pela vida e afinal é de pequenos momentos que se vive. 

O meu filho é uma criança feliz e isso deixa-me imensamente feliz, fez tudo o que uma criança pode fazer, com tudo o que isso implica, disparates incluídos, mas se não fosse assim não tinha graça nenhuma, cresceu e cresceu muito, fez-me soltar muitas gargalhadas e concluir que afinal no meio de todas as minhas dúvidas existenciais até sou uma boa mãe.

Houve também momentos que foram menos bons, desses eu apenas vislumbro e volto a arquivar na minha caixa das memórias, há ainda alguns fantasmas que teimam em permanecer, mas esses eu enxoto e deixo para o próximo ano, pode ser que sejam apenas fantasmas e que se dissipem com o virar de um novo ano.

DESEJO UM BOM ANO DE 2016!

NATAL

24.12.15, acimadetudoviver

A menos de 24 horas do dia mais importante do ano é uma boa altura para reflectir sobre o que esta época significa para mim, primeiro e como não poderia deixar de ser é dia do aniversário do meu filho por isso se eu já gostava desta época passou a ser ainda mais especial, e claro como eu já disse algumas vezes esta época traz-me boas recordações, tive a sorte de ter tido uma infância feliz onde sempre predominou aquilo que é importante no Natal, que é o convívio na familía e entre as pessoas que mais gostamos.

Tudo isto parece "cliché" por ser palavras que se dizem habitualmente nesta altura, mas para mim não são só palavras são sentimentos que fazem parte da minha vida e que predominam não só nesta altura do ano, como todo o ano, já o disse muitas vezes do que mais gosto do Natal é claramente a decoração, a iluminação, é o passear nas ruas e sentir um frio que nos aquece por dentro e infelizmente para mim na região de Lisboa e Margem Sul não tenho o privilégio de nevar por isso ficam as recordações de Natais passados a muitos kms daqui em que a neve fazia parte do cenário natalício.

Aquilo que mais abomino no Natal é a correria desenfreada nos centros comerciais ( sítios que eu já detesto durante o ano), gastar aquilo que não se tem, o trânsito caótico, a falta de respeito entre as pessoas nestas alturas ( lá se vai o espiríto natalício), os meu presentes de Natal foram comprados em dois dias, em que gastei meia hora em cada um deles, depois os presentes que faltavam foram feitos por mim e decorados e acredito que quem os receber irão apreciar até porque tiveram uma ajuda preciosa, que foi o meu filho.

Outra coisa que me entristece é esta avalanche de "solidariedade" porque quem precisa, precisa sempre não só no Natal, e as instituições que prestam estas ajudas também precisam sempre de ajudas extras não só nesta altura, por isso para mim estas "ondas" de solidariedade deveriam acontecer durante todo o ano, mas a verdade é que maior parte das pessoas durante o ano se esquecem dos outros e por isso existe o Natal para nos lembrar que há pessoas que tem problemas maoires que os nossos e precisam de nós sempre.

Este ano só vou ter a presença feliz do meu filho na tarde do dia 25, mas ele está tão feliz ( desde o principio de Dezembro que tem vindo a contar os dias para o Natal ) que eu consigo esperar para o encher de beijos, este ano ele estará com o pai e a familía paterna o que o deixa completamente nas nuvens.

Só me resta desejar um FELIZ NATAL e que o espiríto natalício se prolongue durante todo o ano. 

 

O significado de fazer desporto

16.12.15, acimadetudoviver

Já aqui escrevi por diversas vezes que recomecei as caminhadas ou até mesmo as corridas e de repente eis que paro, normalmente é por causa do trabalho, mas também já foi por causa da preguiça, esse pecado mortal, ou até mesmo por causa das condições climatéricas, fazer caminhadas à chuva não, obrigada!

Mas este meu gosto pelo exercício físico nasceu de uma necessidade, pois nem sempre foi assim, tempos houve em que me dediquei mais ao desporto de sofá, mas questões de saúde ditaram que tinha que me mexer, não precisava de me tornar numa desportista olimpíca mas era importante que fizesse algum tipo de desporto sobretudo um que não tivesse impacto a nível ósseo, pois é este o meu calcanhar de Aquiles, a corrida tem algum, mas desde que eu não abuse e não decida, lá está tornar-me numa maratonista, nada que eu já não tenha pensado, não há problema.

Desde que o fisioterapeuta me disse que só a fisioterapia não chegava era preciso fazer mais alguma coisa para complementar que me tornei inicialmente frequentadora de ginásios, onde comecei por fazer cardio fitness para fortalecer os músculos mas com o passar do tempo este tipo de exercícios tornaram-se monótonos e aborrecidos então decidi para complementar fazer aulas de grupo, na altura foi alongamentos e uma arte marcial, Thai Chi, que eu adorei, tenho pena de actualmente não conseguir voltar por não ter horário compativel, mas pode ser que um dia.

Depois fartei-me dos ginásios, também porque o meu horário deixou de ser compativel com o ginásio e passava muito tempo sem ir, assim passei às caminhadas e às corridas tinha o mar como pano de fundo era fantástico.

Pelo meio fiz ainda algumas vezes canoagem, também ficou o bichinho, é pena não ter companhia, pois fiz sempre com outra pessoa na canoa e sozinha no meio do rio não sei se me aventuro. Fiz ainda um Trail, ainda não se falava em Trails, nem eu sabia que já tinha feito um até começar a ler em blogs descrições sobre algo que afinal eu já tinha feito, já lá vão 10 anos, foi na Serra D' Aire e dos Candeeiros foram 10 kms e na altura foram mais as vezes a caminhar do que a correr porque a preparação física para o efeito não era nenhuma, eu nem imaginava ao que ia, embora o troço não fosse muito difícil, tinha algumas subidas mas não eram complicadas, consegui chegar ao fim começei às 9h30 e cheguei às 12h, não foi mau.

Depois durante a gravidez do meu filho fiz hidro-ginástica gostei porque adoro estar dentro de água, mas preciso de mais movimento, acho que cycling dentro de água tem mais a ver comigo, também já me disseram que a hidro-ginástica para a minha faixa etária é mais puxada, os exercícios são mais duros, é possível, mas desde que me dediquei a fazer as caminhadas, acho que é sem dúvida a minha cara, tem é que ser com um cenário que me faça o pensamento voar para ter também um efeito terapeutico, pois fazer caminhadas na cidade não me puxa muito, por isso ultimamente não tenho sido muito assídua, acho que arranjo sempre uma desculpa.

É esta a minha história dedicada ao desporto, nunca tive nenhuma lesão, das vezes que comecei a fazer algo e estava desanimada quando terminava parecia que tinha levado uma injecção de adrenalina, fazer desporto era sempre a melhor opção, por saber que assim é, é que me tenho sempre obrigado a este recomeços, porque sei o efeito que tem e que preciso inevitavelmente de me sentir viva, que é o que eu sinto sempre termino uma caminhada. 

DIY

14.12.15, acimadetudoviver

 

Hoje finalmente chegou o dia de eu colocar fotos dos trabalhos que tenho vindo a fazer e também o motivo que fez nascer este blog. As primeiras fotos são do Natal do ano passado é uma coroa feita com ramos de cedro que apanhei com o meu filho na Mata dos Medos na Charneca e depois passei fita dos embrulhos para unir os ramos e no final coloquei bolas douradas para ficar mais colorido. Na minha opinião ficou simples e bonito.

 A árvore de Natal foi muito fácil de fazer as tabúas são de uma palete, cortei as pontas com uma serra para dar o efeito do pinheiro, acho que assim fica mais bonito, depois foi só pregar e pintar. Eu pintei depois de a árvore estar toda pregada, poderia ter pintado primeiro as tabúas e pregar depois mas neste caso e dado que era um objecto pequeno e de fácil secagem não tinha importância fazer desta forma. Depois de secar a tinta foi só espalhar alguns pregos pelas tabúas para se colocar os enfeites e as luzes, as luzes eu enrolei o fio à volta das tabúas, os enfeites utilizados também são de madeira, é muito fácil de encontrar e fica muito giro, são quase todos em madeira e faz um efeito giro com a árvore verde.

DSCF1165.JPG

 

 DSCF1169.JPG

O que mostro a seguir é o trabalho que tenho vindo a realizar, tem demorado para finalizar porque só faço quando tenho disponibilidade e neste caso porque tenho de respeitar os tempos de secagem e por vezes voltar a dar outra de mão de tinta para ficar como eu pretendo. Ainda não mostro o trabalho terminado porque ainda falta aplicar o promenor da prateleira que só pintei este fim-de-semana e está secar.

Assim, desta vez o resultado final é uma cabeceira de cama, mais uma vez com paletes, pintei a parte da frente em azul e a parte de trás em branco porque gosto do contraste, podia ter deixado ao natural mas por uma questão de limpar posteriormente é mais fácil estando pintado, pois caso contrário o pó iria entranhar-se na madeira uma vez que não está tratada. Não dei primário porque utilizei na parte dafrente um verniz com cor próprio para madeiras não tratadas, quando pintei de branco como vais ficar encostado à parede, achei que também não era necessário pois as partes mais visivéis optei por dar uma segunda de mão.

Se tivesse aplicado o branco na frente, aí sim teria que ter dado o primário pois este tipo de madeira utilizado em palete absorve a tinta e com o primário torna-se mais fácil de pintar.

DSCF1323.JPG

 

Quando tiver tudo terminado e a aplicação feita no seu devido lugar volto a mostrar com ficou o resultado final.

Uma coisa é certa tem me dado muito prazer fazer este género de trabalhos, sobretudo quando fica tal como tinha imaginado, já para não falar que o facto de ter sido feito por mim tem outro gosto.

 

Os créditos das imagens são todos meus, ou seja acima de tudo viver.

 

 

Ser Feliz com Pequenos Momentos!

12.12.15, acimadetudoviver

Esta semana passou a voar não sei se foi por ter tido um feriado, mas quando dei conta já era sexta-feira. O feriado apesar de ter estado a trabalhar de manhã a parte da tarde foi passada em Lisboa a passear com a minha irmã e o meu filho e foi óptimo, tempo de qualidade com quem se ama. Embora não houvesse sol estava uma temperatura agradável e havia muito calor humano por todo o lado, a Baixa de Lisboa estava cheia de gente, a Rua Augusta então nem se fala mas eu gosto tanto.

Não há dúvida nenhuma Lisboa é a minha cidade, passeamos rua acima, rua abaixo, tiramos fotos, ou melhor o meu filho tirou fotos, sim que modéstia à parte ele é um excelente fotografo de palmo e meio, domina a máquina como ninguém, e por fim para terminar uma tarde bem passada, subimos ao Arco da Rua Augusta, que tem uma vista maravilhosa e mesmo sem termos o privilégio de ver o " melhor pôr-do-sol de Lisboa", como estava anunciado no cartaz à entrada, aquela vista sobre o Cais das Colunas mesmo com o tempo meio encoberto é algo maravilhoso e bonito de apreciar, afinal temos sol em Lisboa 99% dos dias.

É nestes pequenos momentos em que eu tenho o prazer de viver que eu tenho a certeza do desperdício de tempo de cada vez que nos chateamos com coisas "pequenas" e que perdem toda a importância passado algum tempo, por isso nada como aprender a viver sempre com um sorriso porque torna tudo mais fácil, e o mais importante fazer destes pequenos momentos de prazer os grandes momentos e acontecimentos da nossa vida.

Pausa

04.12.15, acimadetudoviver

Este mês começou "morno", o trabalho não é muito, tem estado frio q.b. e eu resolvi dar ouvidos a alguém que me disse que preciso fazer mais alguma coisa para além de trabalhar.

E assim foi, na 4.ª feira fui fazer uma caminhada à beira rio para experimentar, saber qual é a sensação de recomeçar, desta vez em vez do mar tenho o rio, eu preciso é de algo que me dê alento, que me transporte, ainda que em pensamento para outros sítios, que me faça esvaziar o cerébro nem que seja por breves momentos.

E de facto fazer caminhadas ou correr por entre os carros não me dá alento nenhum, preciso de algo mais zen ou bucólico. E, sim, senti-me bem, percebi que era isto que me estava a fazer falta, eu preciso de me mexer, fazer exercício, não estar parada. Hoje foi outra vez dia, mas desta vez ia com a intenção de correr, fazer mais uns metros, que isto tem de ser devagar, pois os interregnos são grandes, mas a condição física não deixou.

Eu começei de facto a correr mas tive que voltar à caminhada passado 200m porque como estou constipada, o ar fresco que se fazia sentir junto ao rio começou a entrar nos meus pulmões de uma forma muito rápida, pois como tenho o nariz entupido tenho que respirar pela boca e ao correr provoca um cansaço maior, assim fiz de facto mais metros mas a andar.

Foi bom na mesma, senti-me bem e isso é o mais importante, aliás esse é o principal objectivo, assim que ficar boa volto a experimentar a corrida.

E isto passou-se durante a hora de almoço, foi assim uma espécie de grito do Ipiranga, pois se eu não me "obrigo" a fazer alguma coisa nunca tenho tempo, pois a minha hora de almoço está sempre preenchida seja com trabalho ou com coisas pessoais, assim é como se fosse uma marcação na agenda, inadiável. Claro que fazer exercício ao ar livre e à hora de almoço só é possivel nesta altura do ano e até final de Abril porque depois quando o calor apertar é suicídio, mas depois arranjarei uma alternativa desde que eu consigo interiorizar esta actividade mais ou menos diária ou até mesmo semanal o resto resolve-se.