Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

acimadetudoviver

acimadetudoviver

Dúvidas!!

11.11.13, acimadetudoviver

Sempre fui indecisa, penso sempre muito antes de tomar qualquer decisão, peso os prós e os contras, imagino respostas para cada pergunta, vou encontrar "problemas" onde provavelmente eles não existem, mas eu sou assim! Mas também quando tomo uma decisão é para a vida, não mexe mais e sobretudo não fico a pensar se tivesse feito assim ou assado teria sido diferente, provavelmente teria mas como não foi essa a decisão que tomei nada de pensar mais no assunto!

Este tipo de situações prende-se sobretudo com a minha vida pessoal, pois sou mais insegura, no que diz respeito ao trabalho quando eu não estou bem mudo-me, agora no que diz respeito às emoções é uma desgraça, sejam elas de que espécie forem e por isso dou muitas vezes comigo a pensar sobretudo no que diz respeito à educação do meu filho se estou a fazer a coisa certa. Tenho sempre medo de estar a ser demasiado benevolente ou demasiado severa. Como já li noutros blogs eu não sou  a mãe do Ruca e não sei sempre o que fazer e às vezes também me chega mostarda ao nariz, mais depressa do que seria suposto e às vezes acabo por descarregar em quem não tem culpa, e depois o sentimento de culpa é a dobrar e os pedidos de desculpa também e não sei se as medidas são exatas.

Enfim viver não é fácil! Ser mãe também não, ser mãe e pai ao mesmo tempo também não e tenho a certeza que tenho falhas (muitas), tento sempre fazer melhor, mas tenho sempre aquela dúvida será que estou mesmo a fazer o melhor que posso e que sei? E será que o melhor que sei e que posso é suficiente?

Quero acreditar que sim, pergunto muitas vezes ao meu filho se ele é feliz, responde-me com um sorriso de orelha a orelha e diz-me que sim, sei que sim porque tento proporcionar-lhe uma infância tanto ou mais feliz do que a minha, tento proporcionar-lhe vivências "reais", como passeios e brincadeiras ao ar livre e não o deixar vegetar em frente à televisão. Mas as dúvidas vão me acompanhar sempre, mesmo que ele já tenha ido à tropa e seja pai de filhos.