Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

acimadetudoviver

acimadetudoviver

Viver com os Defeitos

15.07.19, acimadetudoviver

Olá tenho 40 anos, cabelos brancos (muitos), celulite, derrames e varizes, esterias, rugas, não uso maquilhagem e vivo bem com isso. Isto quase parece conversa de um grupo de auto-ajuda mas não, sou só eu numa análise de mim mesma, sempre fui magra, nunca fiz dieta, tenho um relacionamento de amor/ódio com a comida se por um lado adoro comer, por outro lado descarrego as minhas frustações na comida (leia-se doces). 

Adoro espelhos, lembro-me de passar horas em frente ao espelho a analisar cada centímetro do meu corpo, era de tal forma minuciosa e critica que era mais o que eu não gostava em mim do que aquilo que gostava, tive que aprender a viver com o que não gostava para que os outros não percebessem, não foi fácil mas consegui. O facto de ter sido sempre magra ajudou. 

Os cabelos brancos apareceram quando eu era adolescente, sempre achei engraçado era um contraste giro pois o meu cabelo era preto, quando cheguei aos 20 anos tinha uma madeixa toda branca na franja, parecia que tinha sido pintada, agora os cabelos pretos já se perdem no meio dos brancos e não me sinto mais velha por isso, apesar de haver sempre quem ache que eu deveria pintar ou fazer madeixas porque me dá um ar mais pesado, ou quem diga que "cabelos brancos num homem é charme, numa mulher é desleixo", não acredito nisso.

A celulite e as esterias foram o resultado de uma má alimentação e de muita oscilação de peso, embora a balança nunca tivesse ultrapassado os 55 kg, a verdade é que tão depressa aumentava 3 kg como perdia 5kg. Os derrames e as varizes apareceram quando comecei a trabalhar muitas horas de pé e à medida que os anos foram passando alguns transformaram-se em varizes, tenho a sorte de não ter dores. As rugas são um dado adquirido e inevitável, pois elas representam cada ataque de riso e gargalhadas que dei e foram muitas.

Com tudo isto a conclusão só pode ser uma que é o facto de me sentir bem comigo própria, podia ser diferente, podia mas não era a mesma coisa, foram anos a viver comigo na minha pele, foram anos a aprender a gostar de mim assim, agora não consigo desperdiçar todo esse trabalho. Não há dúvida que este texto é completamente esquizofrénico, mas acho que todas as instropecções acabam por ser ter este resultado.